Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

regina-silveira
Regina Silveira
Comprando Por

Filtros selecionados

  1. Categoria: Remover este filtro Jóia

Produto adicionado no carrinho x

Regina Silveira

Regina Silveira

Regina Silveira

  • Instalação “mundus admirilabilis” | 2012 | Mediations Bienalle, Poznan, Polônia | Foto: Eduardo Verderame Instalação “mundus admirilabilis” | 2012 | Mediations Bienalle, Poznan, Polônia | Foto: Eduardo Verderame
  • Instalação “Abyssal” | 2010 | Exibida em Lodz, na Polônia. A obra ocupava um espaço de mais de 100 metros quadrados. Instalação “Abyssal” | 2010 | Exibida em Lodz, na Polônia. A obra ocupava um espaço de mais de 100 metros quadrados.
  • Composta de carros de brinquedo e vinil recortado, “Octopus”, de 2009, foi apresentada na Alexander Gray Gallery, Nova York, EUA | Foto: cortesia Alex Gray Gallery. Composta de carros de brinquedo e vinil recortado, “Octopus”, de 2009, foi apresentada na Alexander Gray Gallery, Nova York, EUA | Foto: cortesia Alex Gray Gallery.
  • "El Sueno de Mirra y Otras Constelaciones no Museu Amparo" | 2014 | Puebla, Mexico

Regina Silveira

1 Iten(s)

   

  1. "Eye"

    Regina Silveira

    O múltiplo "Eye" é um pendente em prata, feito artesanalmente. No centro do círculo, vemos uma imagem que remete a um planeta azul, iluminado desde o interior por uma pequena luz de LED. A obra é uma exclusividade da Carbono Galeria e acompanha certificado de autenticidade numerado e assinado pela artista.

    Disponibilidade: Em estoque

    • Jóia
    • Data 2013
    • Técnica pendente de prata e LED
    • Dimensões ( A x L x P) 4 x 4 x 2 cm
    • Edição 30
    R$ 6.500,00

Regina Silveira

1 Iten(s)

   

Porto Alegre (RS), 1939 | Trabalha em São Paulo (SP), Brasil.  

Uma das artistas brasileiras contemporâneas de maior renome internacional, Regina Silveira faz instalações, objetos e obras bidimensionais. Dentro da extensa lista de exposições das quais participou em mais de trinta cidades, podemos destacar as 17ª e 24ª edições da Bienal de São Paulo, 3ª e 8ª edições da Bienal do Mercosul, 6ª Bienal de Taipei, 11ª Bienal de Cuenca. Ganhadora de diversos prêmios e residências, foi contemplada com bolsas da John Simon Guggenheim Foundation, Fulbright Foundation e Fundação Civitella Ranieri. Figura nas coleções do Blanton Museum of Art (EUA), MAM – Museu de Arte Moderna de São Paulo e Bahia, e do Museu de Arte de Santa Catarina, entre outras.

Durante a década de 1960, Regina Silveira forma-se como artista, produzindo principalmente gravuras geométricas. Na década seguinte, vai começar a utilizar mídias distintas num mesmo trabalho e, de forma precursora, fazer trabalhos com vídeo, fotografia, colagem, xerox, postais. Daí em diante, volta sua atenção cada vez mais à temática da ocupação do espaço, desenvolvendo projetos que subvertem a perspectiva, a representação e a percepção do espectador. Nos anos 1990, a artista projeta-se internacionalmente através dos diversos prêmios, residências e bolsas com os quais foi contemplada. Aproxima-se ainda mais dos meios tecnológicos e chega a afirmar que o que faz é uma “forma de computação feita à mão”. Alia-se a isso a especificidade das obras para o contexto arquitetônico e espacial onde se encontram. Assim, através de impressões vinílicas, jogos de luz e sombra, colagens e outras interferências diretas sobre os locais, Regina Silveira apresenta seu discurso poético mais recente. Ao longo de sua carreira acadêmica, participa da formação de diversos artistas que hoje atuam no cenário cultural brasileiro e internacional. 

Para Tadeu Chiarelli, a artista tem duas principais influências que delineiam sua obra e “trouxe como resíduos saudáveis de sua experiência com Iberê Camargo o tom soturno de seus trabalhos, o gosto pela deformação expressiva dos signos, a desconfiança irrestrita em relação à eficácia, nos dias de hoje, da arte e seus códigos institucionalizados. Com Duchamp, essa desconfiança transformou-se em ironia implacável, em mordacidade voltada para a desestabilização dos conceitos cristalizados de arte”.

 

 
TOPO