Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

felippe-moraes
Felippe Moraes

Produto adicionado no carrinho x

Felippe Moraes

Felippe Moraes

Felippe Moraes

  • 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima) 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima)
  • 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima) 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima)
  • 2021 | Estação da Luz - Samba de Luz 3 2021 | Estação da Luz - Samba de Luz 3
  • "Ovo Cósmico" | 2023/24 | Verve Galeria, São Paulo
  • 2018 | Caixa Cultural de Fortaleza - Imensurável (curadoria de Alexandre Sá) 2018 | Caixa Cultural de Fortaleza - Imensurável (curadoria de Alexandre Sá)
  • 2016 | Permanente - Caminho Niemeyer - Monumento ao Horizonte 2016 | Permanente - Caminho Niemeyer - Monumento ao Horizonte
2016 | Permanente - Caminho Niemeyer - Monumento ao Horizonte

Felippe Moraes

7 Iten(s)

   

  1. "Não Deixe o Samba Morrer/Acabar, da s..."

    Felippe Moraes

    "No ano do Carnaval ausente de 2021, em que as ruas não puderam ser engolidas pelo desejo dos corpos libertos e fantasiados de delírio, ocupamos a cidade com luz e samba, vermelho e silêncio. Tanto pela evidência de sua ausência, ou pela afirmação de sua presença, o projeto traz o ritmo não apenas como música, mas enquanto saber ancestral. Quando nos vemos sem caminhos, voltamos aos anciãos por orientação, e assim nos dirigimos ao samba com a reverência direcionada a quem nos ensinou a caminhar, dançar e, acima de tudo, habitar e tensionar a precariedade e a entropia. e...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Fotografia
    • Data 2021-2024
    • Técnica impressão lenticular montada em backlight
    • Dimensões (A x L x P) 51 x 40 x 7 cm
    • Edição 15 + 3PA
    R$ 16.000,00
  2. "Canta Forte/Canta Alto, da série Samb..."

    Felippe Moraes

    "No ano do Carnaval ausente de 2021, em que as ruas não puderam ser engolidas pelo desejo dos corpos libertos e fantasiados de delírio, ocupamos a cidade com luz e samba, vermelho e silêncio. Tanto pela evidência de sua ausência, ou pela afirmação de sua presença, o projeto traz o ritmo não apenas como música, mas enquanto saber ancestral. Quando nos vemos sem caminhos, voltamos aos anciãos por orientação, e assim nos dirigimos ao samba com a reverência direcionada a quem nos ensinou a caminhar, dançar e, acima de tudo, habitar e tensionar a precariedade e a entropia. e...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Fotografia
    • Data 2021-2024
    • Técnica impressão lenticular montada em backlight
    • Dimensões (A x L x P) 51 x 40 x 7 cm
    • Edição 15 + 3PA
    R$ 16.000,00
  3. "Uma Pausa de Mil Compassos - da série..."

    Felippe Moraes

    Os backlights do Felippe Moraes são registros do projeto SAMBA EXALTAÇÃO realizado em 2021, durante a segunda onda da pandemia, entre a Sexta-feira de Carnaval e o Domingo de Páscoa. A cada 13 dias, era instalado um letreiro em neon na janela de seu apartamento, no Ed. Mirante do Vale, São Paulo. Cada um desses neons contém o verso de uma música e estabelece uma relação com os pedestres do Viaduto Santa Efigênia e Vale do Anhangabaú. Em um momento em que não poderiam ser realizadas exposições, Moraes encontra uma fresta no tecido social e urbanístico da Cidade para ...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Fotografia
    • Data 2022
    • Técnica backlight
    • Dimensões 33 x 42 x 7,5 cm
    • Edição 10 + 3PA
    R$ 9.500,00
  4. "Agoniza Mas Não Morre - da série SAMB..."

    Felippe Moraes

    Os backlights do Felippe Moraes são registros do projeto SAMBA EXALTAÇÃO realizado em 2021, durante a segunda onda da pandemia, entre a Sexta-feira de Carnaval e o Domingo de Páscoa. A cada 13 dias, era instalado um letreiro em neon na janela de seu apartamento, no Ed. Mirante do Vale, São Paulo. Cada um desses neons contém o verso de uma música e estabelece uma relação com os pedestres do Viaduto Santa Efigênia e Vale do Anhangabaú. Em um momento em que não poderiam ser realizadas exposições, Moraes encontra uma fresta no tecido social e urbanístico da Cidade para ...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Fotografia
    • Data 2022
    • Técnica backlight
    • Dimensões 33 x 42 x 7,5 cm
    • Edição 10 + 3PA
    R$ 9.500,00
  5. "Não deixe o samba morrer"

    Felippe Moraes

    A obra faz parte da terceira Edição do Colecionador, uma colaboração entre a colecionadora Bia Yunes Guarita e o artista: No ano do Carnaval ausente, em que as ruas não puderam ser tomadas por corpos e desejo, o objeto “Não deixe o samba morrer” (2021) é criado como um relicário da memória do samba. Ao mesmo tempo que guarda sua evocação, a escultura demanda a ação do interagente para que a música se faça presente. Ao tocar as sete teclas da marimba com a baqueta de ponta vermelha, é emanada a melodia da canção homônima de Eds...

    Disponibilidade: Sem estoque

    • Escultura
    • Data 2021
    • Técnica madeira, alumínio, resina, aço e gravação a laser
    • Dimensões (A x L x P) 62,6 x 35,8 x 24,4 cm
    • Edição 12 + 4PA
    EDIÇÃO ESGOTADA
  6. "Quero Viver no Carnaval - da série SA..."

    Felippe Moraes

    Os backlights do Felippe Moraes são registros do projeto SAMBA EXALTAÇÃO realizado em 2021, durante a segunda onda da pandemia, entre a Sexta-feira de Carnaval e o Domingo de Páscoa. A cada 13 dias, era instalado um letreiro em neon na janela de seu apartamento, no Ed. Mirante do Vale, São Paulo. Cada um desses neons contém o verso de uma música e estabelece uma relação com os pedestres do Viaduto Santa Efigênia e Vale do Anhangabaú. Em um momento em que não poderiam ser realizadas exposições, Moraes encontra uma fresta no tecido social e urbanístico da Cidade para ...

    Disponibilidade: Sem estoque

    • Fotografia
    • Data 2022
    • Técnica backlight
    • Dimensões 33 x 42 x 7,5 cm
    • Edição 10 + 3PA
    EDIÇÃO ESGOTADA
  7. "E Viver Será Só Festejar - da série S..."

    Felippe Moraes

    Os backlights do Felippe Moraes são registros do projeto SAMBA EXALTAÇÃO realizado em 2021, durante a segunda onda da pandemia, entre a Sexta-feira de Carnaval e o Domingo de Páscoa. A cada 13 dias, era instalado um letreiro em neon na janela de seu apartamento, no Ed. Mirante do Vale, São Paulo. Cada um desses neons contém o verso de uma música e estabelece uma relação com os pedestres do Viaduto Santa Efigênia e Vale do Anhangabaú. Em um momento em que não poderiam ser realizadas exposições, Moraes encontra uma fresta no tecido social e urbanístico da Cidade para ...

    Disponibilidade: Sem estoque

    • Fotografia
    • Data 2022
    • Técnica backlight
    • Dimensões 33 x 42 x 7,5 cm
    • Edição 10 + 3PA
    EDIÇÃO ESGOTADA

Felippe Moraes

7 Iten(s)

   

1988, Rio de Janeiro, Brasil | Vive e trabalha entre São Paulo e Rio de Janeiro, Brasil.

Felippe Moraes é artista, pesquisador e curador independente desde 2009. Mestre pela University of Northampton no Reino Unido, sua pesquisa está voltada para a epistemologia da razão e suas relações com espiritualidade, mitologia e ancestralidade como possibilidades de reencantamento do mundo. 

Seus principais projetos individuais são “Ovo Cósmico” (2023-24) na Galeria Verve, “Samba Exaltação” (2021), série e neons com citações de canções brasileiras, que ocorreu como intervenção urbana no Vale do Anhangabaú em São Paulo, depois como mostra individual no MAC-Niterói e como projeto especial no Museu de Arte do Rio. Em 2021, realizou “Samba da Luz” na Biblioteca Mário de Andrade e na Estação da Luz. Em 2019, apresentou Solfejo no Centro Cultural FIESP e LUZIA no Museu da Ciência da Universidade de Coimbra em Portugal.

Anteriormente realizou as mostras individuais Imensurável (2018) na Caixa Cultural Fortaleza; Proporción (2018) no Espacio de Arte Contemporáneo (EAC) em Montevidéu; Cosmografia (2017) e Ordem (2014), ambas na Baró Galeria em São Paulo e Progressão(2016) no MAC-Niterói. É autor das obras públicas Monumento ao Horizonte (2016) em Niterói e Monumento a Euclides (2017) na Romênia e seu trabalho está em coleções como do Museu de Arte do Rio, MAM-SP, MACRS, MAC-Niterói e CCSP.

TOPO