Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

jorge-menna-barreto
Jorge Menna Barreto
Comprando Por

Produto adicionado no carrinho x

Jorge Menna Barreto

Jorge Menna Barreto

Jorge Menna Barreto

  • "Café educativo" | 2011| MAM Panorama, São Paulo, SP
  • "Concreto" | 2014 | instalação com vidro tinta óleo e bronze fundido
  • "Poemas no Chão" | 2012 | MAM 32° Panorama, São Paulo, SP

Jorge Menna Barreto

1 Iten(s)

   

  1. "Desleituras"

    Jorge Menna Barreto

    A obra tem como ponto de partida palavras criadas da mistura de termos distintos, que são escritas em tapetes de borracha. Elas são associadas às obras expostas na galeria, na ocasião da exposição "A palavra palavra", no intuito de acarretar discussões sobre a maneira que cada individuo percebe ou internaliza cada uma das peça apresentadas. Estes tapetes ou capachos, à partir do momento em que saem da galeria e ocupam outros espaços, criam novas relações com o entorno. Consulte a galeria para obter o catálogo em PDF com outras op&cced...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Escultura
    • Data 2015
    • Técnica fibra vinílica entrelaçada
    • Dimensões (A x L) 70 x 90 cm
    • Edição ilimitada
    R$ 1.400,00

Jorge Menna Barreto

1 Iten(s)

   

Araçatuba (SP), 1970 | Vive e trabalha no Rio de Janeiro (RJ) e em São Paulo (SP), Brasil.

Artista e pesquisador, Jorge tem investigado a relação do trabalho de arte com o seu contexto e os possíveis desdobramentos das práticassite-specific na atualidade, além da absorção acrítica do termo e conceito no contexto brasileiro.

O trabalho do artista envolve a palavra, a escrita e a crítica – ou não crítica – para questionar a maneira como o espectador se coloca diante do conteúdo apresentado. As obras não são postas como verdade absolutas, considerando que a interpretação ou a sensibilidade do observador diante delas é fundamental para o entendimento de cada um.

Nas palavras da curadora Galciani Neves: “Jorge Menna Barreto infiltra-se para acionar uma espécie de antinomia da palavra – contraditoriamente, do individual para o universal, da singularidade própria de 'um' que quer avançar para o todo e 'qualquer um' que se encaixe, forçadamente, em uma dada categoria.”

Outro assunto presente tanto nos trabalhos quanto nas pesquisas do artista, é a questão referência x influência na produção artística da contemporaneidade.

Jorge é professor adjunto no Instituto de Artes da UERJ. Doutor em Poéticas Visuais pela ECA/USP. Entre suas exposições coletivas estão a Bienal de Havana em 2000; Projeto Rumos Itaú Cultural em 2002; Bienal do Mercosul em 2001 e 2009; Panorama da Arte Brasileira, MAM-SP em 2011. Entre as individuais, destacam-se a do Centro Cultural São Paulo em 2004 e Paço das Artes 2007. Foi membro do grupo de críticos de arte do Centro Cultural São Paulo de 2008 a 2010, onde também atuou como curador. Em 2014, participou do programa School of Missing Studies da 31a Bienal de São Paulo

TOPO