Wishlist
R$ 0,00
0 item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

marcelo-sola
Marcelo Solá
Comprando Por

Produto adicionado no carrinho x

Marcelo Solá

Marcelo Solá

Marcelo Solá

  • 2002 | Bienal XXV, São Paulo, SP 2002 | Bienal XXV, São Paulo, SP
  • 2002 | Bienal XXV, São Paulo, SP 2002 | Bienal XXV, São Paulo, SP
2002 | Bienal XXV, São Paulo, SP

Marcelo Solá

1 Iten(s)

   

  1. "Sem título"

    Marcelo Solá

    A serigrafia que o artista desenvolveu com exclusividade para a Carbono traz desenhos que nos remetem a animais, uma edificação e um rio. Ideia esta reforçada pelo signo “Hidrolândia” na parte superior da obra. Caligrafia e desenho mais uma vez se misturam e se confundem. Sua construção entrecortada e com um certo automatismo de pensamento e movimento, no entanto, não nos permitem afirmar com clareza o que representa cada imagem. A obra é aberta e pede assim, sua leitura. Além disso, em cada uma delas há uma interferência diferente do artista em spray dourado, causando uma surpresa no espectador. Obra numerada e assinada pelo artista. Valor da obra não inclui mol...

    Disponibilidade: Sem estoque

    • Gravura
    • Data 2014
    • Técnica serigrafia
    • Dimensões ( A x L) 140 x 100 cm
    • Edição 20
    EDIÇÃO ESGOTADA

Marcelo Solá

1 Iten(s)

   

Goiânia (GO), 1971 | Vive e trabalha em Goiânia (GO), Brasil.

Assíduo desenhista, Marcelo Solá se comunica principalmente através desta linguagem. O artista transmite sua maneira de ver o mundo e a vida cotidiana nas cidades, com constantes destaques para a arquitetura. Explora seus traços em mídias diversas, como a serigrafia, a monotipia e até a instalação. Participou de importantes exposições no Instituto Tomie Ohtake, na Funarte, nos Museus de Arte Moderna do Rio de Janeiro e de São Paulo, no Centro Cultural São Paulo, no Festival de Cultura da Bélgica, na 25ª Bienal de São Paulo e no Drawing Center, (Nova York). Recebeu prêmios como a “Bolsa de Apoio a Pesquisa e Criação Artística”, da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro e duas vezes o “Prêmio Projéteis de Arte Contemporânea”, da Funarte. Além disso, ainda participou de residências artísticas no Brasil e no exterior, como nos Estados Unidos, Canadá e Holanda.

TOPO