Wishlist
R$ 0,00
0 item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

walter-silveira
Walter Silveira
Comprando Por

Produto adicionado no carrinho x

Walter Silveira

Walter Silveira

Walter Silveira

3 Iten(s)

   

  1. "Hendrix, Madrake, Mandrix"

    Walter Silveira

    Histórico poema de Walter Silveira que é concebido a partir de questões semânticas e sonoras, unindo de diferentes palavras que estão atreladas à cultura pop do final dos anos 1970. A primeira versão visual do poema foi realizada em 1978 com tinta spray, se tornando um icônico grafite da cidade de São Paulo, cuja a grafia se manteve nos distintos suportes em que a obra foi reproduzida. Além de impresso em publicações de poesia, "Hendrix, Mandrake, Mandrix" foi apresentada anteriormente em exposições, como bandeiras impressas e como um letreiro em néon.A prop...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Fotografia
    • Data 1978/2018
    • Técnica fotografia em duratrans s/ backlight
    • Dimensões (A x L x P) 40 x 50 x 2,5 cm
    • Edição 10 + 2PA
    R$ 4.500,00
  2. "Régua"

    Walter Silveira

    Em "Régua", Walter Silveira resgata questões relativas a história da arte, mencionadas tanto na produção dos poetas concretos, como em Marcel Duchamp, ao propor jogos de significados entre o título e a obra de arte. O retângulo de acrílico transparente sugere o formato de uma régua, contudo, as pequenas curvas ao longo da peça, fazem com que perca a possibilidade de tracejar uma linha reta e retira assim a possível função original do objeto. A peça torna-se ainda um suporte para um meta-poema de Silveira, e “volta a ser uma régua” a partir do seu t&i...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Escultura
    • Data 2010/2018
    • Técnica acrílico
    • Dimensões (A x L x P) 50 x 4 x 0,7 cm
    • Edição 10 + 2PA
    R$ 3.000,00
  3. "Poço"

    Walter Silveira

    "Poço" é uma caligrafia de Walter Silveira no qual explora as dimensões semânticas e visuais da palavra poço e se apropria formalmente da letra P para substanciar o significado da palavra a partir de seu significante grafado. O poema, formado por uma única palavra, encontra eco nas propostas sintéticas dos poetas concretos, e também na pop art e nos meios de comunicação de massa. O formato vertical da impressão em fine art de Poço amplia a potência poética e visual da proposta do artista. A edição vem acompanhada de certificado de autenticidade numerado e assinado.

    Disponibilidade: Em estoque

    • Gravura
    • Data 1976/2018
    • Técnica impressão digital sobre papel Canson Etching Rag 310g
    • Dimensões ( A x L) 100 x 60 cm
    • Edição 20 + 2PA
    R$ 3.500,00

Walter Silveira

3 Iten(s)

   

São Paulo (SP), 1955 | Vive e trabalha em Brasília (DF).

 

Walter Silveira é um artista intermídia que realiza projetos autorais e experimentais em torno do suporte eletrônico desde o final dos anos 70. Cursou Rádio e TV na ECA-USP, onde foi editor e colaborador da revista de criação literária "Caspa". Desde essa época tem seus trabalhos publicados em edições coletivas e autorais.

Em 1978, iniciou a curadoria independente de várias mostras, exposições e eventos de poéticas visuais em São Paulo, Curitiba, Salvador e Belo Horizonte, como a primeira mostra, Vídeo-Arte e a mostra "Multimídia Internacional" com a participação via correio (mail art) de mais de 100 artistas de 21 países, ambas na USP.  Em 1987, foi um dos curadores da exposição "Palavra Imágica", que reuniu 40 artistas/poetas no Museu de Arte Contemporânea da USP. Em 2008 foi um dos curadores da exposição "Poesia Concreta – O Projeto Verbivocovisual” no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e no Palácio das Artes, em Belo Horizonte em homenagem aos 50 anos da criação da poesia concreta.

Desde 1980, é profissional de televisão, diretor de conteúdo e programação. Trabalhou em diversas emissoras como TV GAZETA, TV CULTURA, TVE e TV BRASIL.  Fundou a TVDO, produtora de vídeo independente que destacou-se pela inovação e criatividade. Recebeu diversas premiações em festivais de vídeo nacionais e internacionais. Foi fundador da primeira escola de vídeo do país, a “The Academia Brasileira de Vídeo”, um polo articulador e formador das novas propostas das artes eletrônicas em São Paulo.

Com o poeta Augusto de Campos e o músico Cid Campos, desenvolveu e dirigiu o espetáculo de poesia, música e vídeo "Poesia É Risco", apresentado desde 1996, na França, na Suíça, na Holanda, nos Estados Unidos e em diversas cidades do Brasil.

Já expôs em diversas instituições como Museu de Arte Contemporânea de São Paulo, FAAP, SESC Pompéia, Itaú Cultural, Caixa Cultural de São Paulo, Brasília e Curitiba - com destaque para as exposições "TRANSFUTUR" (1990, Kassel, Alemanha); "XXIV Bienal Internacional de São Paulo", "II Bienal de Artes Visuais do Mercosul "(1999, Porto Alegre), da mostra itinerante internacional, "VIDEOBRASIL 30 YEARS "(2014, Cape Town, África do Sul) e "AMOSTRAGEM DA POESIA BRASILEIRA DA ERA PÓS VERSO", (com curadoria de Omar KHOURI, 2015, Universidade de Lisboa em Lisboa, Portugal).

TOPO