Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

nuno-ramos
Nuno Ramos
Comprando Por

Produto adicionado no carrinho x

Nuno Ramos

Nuno Ramos

Nuno Ramos

  • “Sol a pino” | 2019 | Galpão Fortes d'Aloia e Gabriel | São Paulo, SP “Sol a pino” | 2019 | Galpão Fortes d'Aloia e Gabriel | São Paulo, SP
  • “O direito à preguiça” | 2016 | Centro Cultural Banco do Brasil | Belo Horizonte, MG “O direito à preguiça” | 2016 | Centro Cultural Banco do Brasil | Belo Horizonte, MG
  • “Fodasefoice” | 2008 | Galpão Fortes Vilaça, São Paulo, SP “Fodasefoice” | 2008 | Galpão Fortes Vilaça, São Paulo, SP
“Fodasefoice” | 2008 | Galpão Fortes Vilaça, São Paulo, SP

Nuno Ramos

2 Iten(s)

   

  1. "Marémobília I"

    Nuno Ramos

    As obras de Nuno Ramos revelam experiências multidirecionadas, inquietas, interrogativas, nas quais uma busca poética e existencial está sempre presente. Artista que cultiva o excesso, a ambiguidadee as zonas instáveis, pressupõem uma resistência do ser com o mundo real e traçam uma imensa arena cultural onde ficam expostos os nossos conflitos estéticos e sociais. Suas operações estéticas, presentes em Marémobilia, onde nada é confortável, nada está ali inerte, trazem uma aderência às contradições do mundo que perturbam a inércia do n...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Fotografia
    • Data 2000/2019
    • Técnica impressão digital sobre papel Museum Etching 350g
    • Dimensões ( A x L) 70 x 100 cm
    • Edição 15 + 3PA
    R$ 7.000,00
  2. "Marémobília II"

    Nuno Ramos

    As obras de Nuno Ramos revelam experiências multidirecionadas, inquietas, interrogativas, nas quais uma busca poética e existencial está sempre presente. Artista que cultiva o excesso, a ambiguidadee as zonas instáveis, pressupõem uma resistência do ser com o mundo real e traçam uma imensa arena cultural onde ficam expostos os nossos conflitos estéticos e sociais. Suas operações estéticas, presentes em Marémobilia, onde nada é confortável, nada está ali inerte, trazem uma aderência às contradições do mundo que perturbam a inércia do n...

    Disponibilidade: Em estoque

    • Fotografia
    • Data 2000/2019
    • Técnica impressão digital sobre papel Museum Etching 350g
    • Dimensões ( A x L) 70 x 100 cm
    • Edição 15 + 3PA
    R$ 7.000,00

Nuno Ramos

2 Iten(s)

   

São Paulo (SP), 1960 | Vive e trabalha em São Paulo (SP), Brasil.

Nuno Ramos é formado em filosofia pela Universidade de São Paulo, é pintor, desenhista, escultor, escritor, cineasta, cenógrafo e compositor. Começou a pintar em 1984, quando passou a fazer parte do grupo de artistas do ateliê Casa 7. Desde então tem exposto regularmente no Brasil e no exterior. Participou da Bienal de Veneza de 1995, onde foi o artista representante do pavilhão brasileiro, e das Bienais Internacionais de São Paulo de 1985, 1989, 1994 e 2010. Em 2006, recebeu, pelo conjunto da obra, o Grant Award da Barnett and Annalee Newman Foundation.

Dente as exposições individuais que fez, destacam-se, em 2010, as produzidas na Gallery 32, em Londres, Inglaterra; no Galpão Fortes Vilaça, em São Paulo, Brasil; e no MAM - Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Brasil. Em 2009, apresenta "Mar morto (Soap Opera 2)" na Galeria Anita Schwartz, no Rio de Janeiro. Em 2008, participa do projeto "Respiração", da Fundação Eva Klabin, no Rio de Janeiro, com a exposição "Pergunte ao". No mesmo ano, "Asa branca", Funarte, Belo Horizonte, Brasil; "Fodasefoice", Galpão Fortes Vilaça; "Bandeira branca", CCBB - Centro Cultural Banco do Brasil, Brasília, Brasil, e Galeria Bernardo Marques, Lisboa, Portugal. Em 2006, "Ai de mim!" , Galeria Fortes Vilaça, São Paulo; "Vai, vai", Instituto Tomie Ohtake, São Paulo. Em 2004, "Morte das casas", CCBB, São Paulo e Pinacoteca do Estado de São Paulo. Em 2003, "O que são as horas?", MAP - Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte. Em 1999 e 2000, realizou a primeira retrospectiva de sua obra, apresentada no Centro de Artes Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, e no MAM, São Paulo, respectivamente. Em 1995, 46ª Bienal de Veneza, Itália; "Milky Way", Brooke Alexander Art Gallery, Nova York, EUA. 

Nas exposições coletivas de que participou destacam-se, em 2010, a XXIX Bienal Internacional de São Paulo; "God Is Design", Galpão Fortes Vilaça (2008);. Em 2005, 5ª Bienal do Mercosul, Porto Alegre, e "29º Panorama de arte brasileira", MAM, São Paulo. Em 2004, "Afinidades e diversidades", Projeto Carlton Encontro com Arte, São Paulo - exposição conjunta com o americano Frank Stella, influência importante em sua obra. Em 2003, Novas aquisições 2003 - Coleção Gilberto Chateubriand, MAM, Rio de Janeiro, e "Marcantonio Vilaça - Passaporte contemporâneo", MAC/USP - Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. Em 2000, "O trabalho do artista", Instituto Itaú Cultural, São Paulo; e a exposição itinerante "Ultrabaroque - Aspects of Post Latin American Art", Museum of Comtemporary Art, San Diego, EUA/Museu de Arte de Porto Rico, Porto Rico/Chicago Cultural Center, Chicago, EUA/Atarazanas, Valência, Espanha/Forth Worth Museum of Modern Art, São Francisco, EUA/Museum of Modern Art, Walker Art Center, Mineápolis, EUA. Em 1999, "Por que Duchamp?" , Paço das Artes, São Paulo. Em 1997, "Fronteiras", Itaú Cultural, São Paulo. Em 1994, "Mácula", XXII Bienal Internacional de São Paulo. Em 1992, "Latin American Artists of the 20th Century", Sevilha, Espanha/Centre Pompidou, Paris, França/Colônia, Alemanha/MOMA - Museum of Modern Art, Nova York, EUA. Em 1989, XX Bienal Internacional de São Paulo. Em 1988, Brasil já, Museum Morsbraich, Leverkusen; Sprengel Museum Hannover, Hannover; e Galeria Landergirokasse, Stuttgart, todos na Alemanha. No mesmo ano, "Modernidade", Musée de La Ville de Paris, França, e MAM, São Paulo. Em 1986, 2ª Bienal de La Habana, Havana, Cuba. Em 1985, Casa 7, MAM, Rio de Janeiro, e MAC/USP, São Paulo; XVIII Bienal Internacional de São Paulo. Em 1984, 2º Salão de Arte Contemporânea em São Paulo - Prêmio de Aquisição, São Paulo.

Nuno Ramos também trabalhou como obras ao ar livre em que o elemento natural - o mar, a rocha, o solo, o tempo - era parte integrante do trabalho. Aqui, destacam-se "Iluminai os terreiros" (2006); "Marémobília, Marécaixão e Minuano" (2000); "Calado e Dois irmãos" (2003); "Cabreúva" (2001); "Fornalha" (1997); e "Matacão" (1996) .

Como escritor, publicou "O mau vidraceiro" (2010), "Ó" (2008), "Ensaio geral" (2007), "O pão do corvo" (2001) e "Cujo" (1993) .

Como cineasta, roteirizou e codirigiu com Clima, em 2002, os curtas-metragens "Luz negra (ParaNelson 1)" e "Duas horas (ParaNelson 1)" . Em 2004, roteirizou o e dirigiu o curta "Alvorada"

TOPO