Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Jose Dávila Jose Dávila
  • Jose Dávila Jose Dávila
  • Jose Dávila Jose Dávila
  • Jose Dávila Jose Dávila
  • Jose Dávila Jose Dávila
  • Jose Dávila Jose Dávila

Jose Dávila +

"Paisagem Fragmentada" (cód. 9422)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Escultura
  • Data 2021
  • Técnica aço e pedra sabão
  • Dimensões (A x L x P) 30 x 30 x 30 cm
  • Edição 15 + 2PA
O trabalho de escultura criado por Jose Dávila visa a materialização de fenômenos físicos como a gravidade, resistência e troca de forças. Estas relações complexas e os seus efeitos são refletidos no desenvolvimento das esculturas e no modo como conseguem manter a sua forma graças à uma reciprocidade. Os materiais utilizados pelo artista estão empenhados num gesto de equilíbrio. Isto é reproduzido em uma dimensão simbólica, uma vez que Dávila examina constantemente a evolução histórica da escultura através de situações que se aproximam da possibilidade de colapso.
 
A edição vem acompanhada de certificado de autenticidade numerado e assinado pelo artista.

Jose Dávila

Guadalajara, México, 1974 | Vive e trabalha em Guadalajara, México

 

A obra de Jose Dávila origina-se de linguagens simbólicas que operam na história da arte e da cultura visual ocidental. Essas linguagens pictóricas, gráficas e escultóricas se reconfiguram em relações contraditórias e contrastantes, colocando no limite a correspondência entre forma e conteúdo.

O artista representa essas oposições sob diferentes perspectivas: a associação entre a imagem e a palavra; os arranjos estruturais de certos materiais que podem levar a um equilíbrio harmonioso ou desordem; o uso de rotas periféricas para definir o espaço arquitetônico e a presença de objetos. O trabalho de Dávila é essencialmente multidisciplinar; Essas aporias materiais e visuais se concretizam de diferentes maneiras e apresentam paradoxos que permitem a coexistência de fragilidade e resistência, calma e tensão, ordem geométrica e caos aleatório.

A obra de Jose Dávila usa a apropriação e recontextualização de obras de arte icônicas para questionar a forma como nos reconhecemos visualmente e nos relacionamos; Uma série de processos de tradução e edição são realizados para alterar o processo de identificação, os materiais são modificados, alguns elementos são destacados enquanto outros são ocultados, as linguagens de determinados movimentos artísticos também são reproduzidas com recursos locais e em um contexto contemporâneo.A sua obra escultórica parte da especificidade dos materiais utilizados, a sua origem, o seu valor simbólico e as suas características formais são elementos que entram em jogo; Os materiais industriais interagem com os materiais orgânicos crus. Influenciado pela formação do arquiteto, Dávila usa os objetos como se fossem os elementos básicos do desenho (ponto, linha e plano) para criar construções que testam noções de equilíbrio, estabilidade e permanência.

Com essas esculturas, Dávila busca evidenciar e tornar visíveis os processos físicos e as dinâmicas necessárias para que as coisas mantenham sua forma e ocupem o espaço de maneira específica e determinada. A intervenção humana e o arranjo material das coisas produzem sistemas híbridos que respondem a intuições estruturais; a técnica se desdobra como dimensão poética.

Seu trabalho foi exibido no Museu Yuz, Shanghai, CN; Museo Universitario del Chopo, Cidade do México, MX; Sammlung Philara, Düsseldorf, DE; Museo del Novecento, Florença, IT; Trienal PST LA / LA da Getty, Los Angeles, EUA; Fundação Blueproject, Barcelona, SP; Hamburger Kunsthalle, Hamburgo, DE; Marfa Contemporary, Marfa, EUA; Savannah College of Art and Design, Savannah, EUA; Gemeentemuseum, Haia, NL; Museum Voorlinden, Wassenaar, NL; Museu Universitário de Arte Contemporânea, MUAC Cidade do México, MX; Caixa Forum, Madrid, SP; MoMA PS1, Nova York, EUA; Kunstwerke Berlin, DE; Museu de Arte de San Diego, San Diego, EUA; Museu do Centro Nacional de Arte Reina Sofia, Madrid, SP; MAK Viena, AT; Fundação / Coleção Jumex, Cidade do México, MX; Bass Museum of Art, Miami, EUA; Museu de Arte Moderna, São Paulo, BR; entre outros.

Seu trabalho faz parte de coleções internacionais públicas e privadas, como o Solomon R. Guggenheim Museum, New York, US; Centre Georges Pompidou, Paris, FR; Museu do Centro Nacional de Arte Reina Sofia, Madrid, SP; Coleção Inhotim, Brumadinho, BR; Hamburger Kunsthalle, Hamburgo, DE; entre outras. Também foi destaque em publicações internacionais, como Cream 3, ed. Phaidon; 100 Artistas da América Latina, ed. Saia e na monografia The Feather and The Elephant, ed. Hatje Cantz.

Jose Dávila recebeu o prêmio Baltic Artists 'Award 2017 no Reino Unido e em 2016 foi Artista Honorée do Hirshhorn Museum em Washington D.C., EUA. Dávila recebeu apoio da Fundação Andy Warhol e do Sistema Nacional de Criadores do Fundo Nacional para a Cultura e as Artes do México.

Destaques da carreira

Jose Dávila

  • "The Act of Perseverance" | 2020 | Biennale of Sydney, Austrália
  • "The Moment of Suspension" | 2019 | KÖNIG GALERIE NAVE, Berlim, Alemanha
  • "A Simple Rule to Remember" | 2017 | Franz Josef Kai, Viena, Áustria
  • "Sense of Place" | 2017 | Los Angeles Nomadic Division (LAND) and Getty’s Pacific Standard Time: LA/LA initiative, Los Angeles, E.U.A
  • "Stones Don’t Move" | 2016 | Sean Kelly, Nova York, E.U.A
TOPO