Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Curva Francesa, Marcia Xavier Curva Francesa, Marcia Xavier
  • Curva Francesa, Marcia Xavier Curva Francesa, Marcia Xavier
  • Curva Francesa, Marcia Xavier Curva Francesa, Marcia Xavier

Marcia Xavier +

"Curva Francesa" (cód. 1371)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Escultura
  • Data 2014
  • Técnica impressão em acrílico
  • Dimensões ( A x L) 42 x 100 cm
  • Edição 20

DISPONIBILIDADE IMEDIATA

R$ 15.000,00
em até 10x de R$ 1.657,50*
ver parcelas
  • 1x de R$ 15.000,00
  • em até 2x de R$ 7.500,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 5.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 3.806,25*
  • em até 5x de R$ 3.090,00*
  • em até 6x de R$ 2.612,50*
  • em até 7x de R$ 2.271,43*
  • em até 8x de R$ 2.015,63*
  • em até 9x de R$ 1.816,67*
  • em até 10x de R$ 1.657,50*
A curva francesa é um gabarito composto por diversas curvas, de raios variados. A régua permite desenhar e ligar curvas com encaixes perfeitos, sem o uso de cálculos matemáticos. Importante instrumento de desenho arquitetônico antes do surgimento do desenho vetorial, ela ainda é bastante utilizada para modelagem. Em sua obra, Márcia Xavier recupera esse símbolo do projeto feito à mão e imprime nele vistas da cidade.

Marcia Xavier

Belo Horizonte (MG),1967 | Vive e trabalha em São Paulo (SP), Brasil.

A artista plástica parte da fotografia para criar trabalhos nos quais estão presentes investigações sobre a paisagem, sobre o horizonte ou sobre a arquitetura. A isto somam-se objetos ou caixas de luz, que resultam de soluções ou especulações formais. Marcia Xavier participou da 3ª Bienal do Mercosul no Brasil e da 6ª Bienal de Havana em Cuba. Seu trabalho figura em importantes coleções públicas como a Société Générale d’Art Contemporain, na França; Museu de Arte Moderna (MAM) e Banco Itaú, ambas em São Paulo; Museu de Arte Contemporânea (MAC) de Ribeirão Preto; e Museu de Arte Moderna (MAM) - Coleção Gilberto Chateaubriand, no Rio de Janeiro.

No início de sua carreira, durante os anos 90, Márcia Xavier investigava a fotografia a partir do autorretrato. Durante os anos 2000, seu trabalho expande-se para uma busca sobre a imagem e as questões da distorção e apresentação formal, como em "Carambola" (2000) no qual bolas de sinuca são refletidas e distorcidas nas paredes de um recipiente forrado com alumínio. Trabalhos como "Quadra" (2003) ou "Curva Francesa" (2005) refletem seu interesse pelas questões de escala e organização urbana. Sua pesquisa aproxima-se da arquitetura em trabalhos como "Olho d’água" (2007), uma instalação que cria distorções espaciais partir da imagem refletida pela água. Recentemente, contou com exposições individuais na Galeria 111, Lisboa, Portugal (2018), na Casa Triângulo e no Museo de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), ambos em São Paulo (2017).

Para a curadora Lizette Lagnado, a obra de Xavier apresenta-se como um “terreno especulativo, no qual certas fotografias permanecem guardadas anos a fio até conquistar uma linha que determine seu destino (...) Curioso observar que o interesse de Marcia Xavier fixou-se em jogos de precisão, cuja movimentação depende de uma parceria. Embora regidos por um sistema de regras e cálculos, envolvem uma “percepção abstrata do mundo”, a indeterminação de lances que bifurcam.”

Galerias representantes

Casa Triângulo, São Paulo

Galeria Laura Marsiaj, Rio de Janeiro

Destaques da carreira

Márcia Xavier

  • "Água" | 2011 | Oca - Parque Ibirapuera São Paulo, SP
  • "Para-quedas" | 2010 | Casa Triângulo, São Paulo, SP
TOPO