Wishlist
R$ 0,00
0 item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Vicente de Mello, Casquinha - série Quantas ASAS tem um pixel? Vicente de Mello, Casquinha - série Quantas ASAS tem um pixel?

Vicente de Mello +

"Casquinha - série Quantas ASAS tem um pixel?" (cód. 3239)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Fotografia
  • Data 2013
  • Técnica impressão em papel Hahnemuhle
  • Dimensões (A x L) 45 x 60 cm
  • Edição 15

DISPONIBILIDADE IMEDIATA

R$ 6.000,00
em até 10x de R$ 663,00*
ver parcelas
  • 1x de R$ 6.000,00
  • em até 2x de R$ 3.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 2.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 1.522,50*
  • em até 5x de R$ 1.236,00*
  • em até 6x de R$ 1.045,00*
  • em até 7x de R$ 908,57*
  • em até 8x de R$ 806,25*
  • em até 9x de R$ 726,67*
  • em até 10x de R$ 663,00*
Casquinha é um pequeno mimetismo urbano que faz parte da série "Quantas ASAS tem um Pixel?" de Vicente de Mello. Esta série questiona a utilização da câmera digital de bolso como ferramenta de criação para uma nova caligrafia da fotografia moderna. Os pensamentos instantâneos são "escritos" pelo olhar livre que percebe o sutil: uma tarde chuvosa em Oxford (GB) e uma pequena cicatriz na pele áspera do asfalto. A edição acompanha certificado numerado e assinado pelo artista.

Vicente de Mello

São Paulo (SP), 1967 | Vive e trabalha no Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

O fotógrafo Vicente de Mello reflete sobre questões próprias de seu meio através de temas diversos, como paisagens natural e arquitetônica, objetos íntimos e públicos, corpos humanos e até mesmo obras de arte. A experiência compositiva parece ser para ele o objetivo final de seus trabalhos. Com interessantes referências da história da arte e propriamente da fotografia, Vicente cria a cada nova série, um novo caminho, um novo universo. Formou-se em Comunicação Social e especializou-se em História da Arte e Arquitetura no Brasil. Já realizou exposições em conceituadas instituições em todo o mundo, como a Maison Européenne de la Photographie (Paris), a Caixa Cultural (Rio de Janeiro), o Instituto Itaú Cultural (São Paulo), o Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Recife), o Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires, entre outros. Em 2006, foram publicados o livro "Áspera Imagem" e, em 2014, "Parallaxis". Suas obras compõem importantes coleções públicas e particulares como as do Centro Cultural Banco do Brasil (Rio de Janeiro), da Pinacoteca do Estado de São Paulo, dos Museu de Arte Moderna de São Paulo e do Rio de Janeiro, da Fundação Daros, da Fondation Cartier pour l´art contemporain, da Coleção José Roberto de Figueiredo Ferraz, entre outras.

Há em seu trabalho, um constante jogo de reconstrução visual a partir dos elementos existentes, principalmente os da paisagem arquitetônica: pilares, coberturas, paredes, degraus, superfícies envidraçadas formando grandes espelhos, entre outros, são revistos por Vicente, criando, a partir deles, novas composiçõe

Em "Vermelhos Telúricos" (2001), as paisagens arquitetônicas ganham bordas arredondadas e tons avermelhados que dão a elas novos ares, nova ambientação. Em formato quadrado, locais e edifícios icônicos, como Veneza, a Grande Muralha da China, Machu-Picchu e o Centre Pompidou parecem ter sido deslocados no tempo.

Vicente realiza diversas experimentações relacionando luz e formas, levando muitas de suas imagens à abstração, como podemos ver em "A Cidade perfeita, A seringueira", nas séries "Lapidus e Galáctica" (2000). Nesta,  Vicente trata elementos luminosos, como lâmpadas e seus suportes, como se irradiassem luz em diferentes universos, transformando-os em estrelas, asteroides, meteoroides.

Em ""Topografia Imaginária (1994-1997), a base de suas criações são corpos humanos, que tomam o primeiro plano da imagem e mostram com detalhe a pele, sua porosidade, suas dobras e a marca do tempo.

Além disso, possui em seu trabalho uma relação próxima com obras de arte, um olhar aguçado, curioso, compositivo sobre elas, devido à sua experiência em documentá-las. Entre outros projetos, foi o fotógrafo responsável pelas imagens das obras de Maria Martins, presentes no livro "Maria".

Vicente tem se expressa também com as palavras, ao dar nomes a seus trabalhos, que podem ser palavras ou até pequenos versos. Em "Cinematógrafo", por exemplo, os trípticos, em cores vibrantes, compostos geralmente por duas imagens de paisagem natural ou urbana e uma terceira com presença humana, são acompanhados de instigantes frases que abrem seus sentidos ao espectador e propõem ao mesmo tempo um jogo sequencial de imagem e texto.

 

 

Galerias representantes

Lurixs Arte Contemporânea, Rio de Janeiro

Galeria Eduardo Fernandes, São Paulo

Destaques da carreira

Vicente de Mello

  • “Orquestra de Trombones” | 2010 |  Museu de Arte contemporânea de Niterói, RJ “Orquestra de Trombones” | 2010 |  Museu de Arte contemporânea de Niterói, RJ
  • “Brasília utopia lírica” | 2013/2014 | Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ “Brasília utopia lírica” | 2013/2014 | Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ
  • “Brasília utopia lírica” | 2013/2014 | Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ “Brasília utopia lírica” | 2013/2014 | Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ
  • “Deserto do céu” | 2014 | Instalação de lambe-lambe (silk screen), na Cavalariças do Parque Lage, RJ “Deserto do céu” | 2014 | Instalação de lambe-lambe (silk screen), na Cavalariças do Parque Lage, RJ
  • “Deserto do céu” | 2014 | Instalação de lambe-lambe (silk screen), na Cavalariças do Parque Lage, RJ “Deserto do céu” | 2014 | Instalação de lambe-lambe (silk screen), na Cavalariças do Parque Lage, RJ
“Deserto do céu” | 2014 | Instalação de lambe-lambe (silk screen), na Cavalariças do Parque Lage, RJ
TOPO