Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes
  • Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes
  • Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes
  • Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes
  • Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes Não deixe o samba morrer | Felippe Moraes

Felippe Moraes +

"Não deixe o samba morrer" (cód. 10821)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Escultura
  • Data 2021
  • Técnica madeira, alumínio, resina, aço e gravação a laser
  • Dimensões (A x L x P) 62,6 x 35,8 x 24,4 cm
  • Edição 12 + 4PA

DISPONÍVEL PARA ENVIO EM ATÉ 20 DIAS ÚTEIS

R$ 12.000,00
em até 10x de R$ 1.326,00*
ver parcelas
  • 1x de R$ 12.000,00
  • em até 2x de R$ 6.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 4.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 3.045,00*
  • em até 5x de R$ 2.472,00*
  • em até 6x de R$ 2.090,00*
  • em até 7x de R$ 1.817,14*
  • em até 8x de R$ 1.612,50*
  • em até 9x de R$ 1.453,33*
  • em até 10x de R$ 1.326,00*

A obra faz parte da terceira Edição do Colecionador, uma colaboração entre a colecionadora Bia Yunes Guarita e o artista:

No ano do Carnaval ausente, em que as ruas não puderam ser tomadas por corpos e desejo, o objeto “Não deixe o samba morrer” (2021) é criado como um relicário da memória do samba. Ao mesmo tempo que guarda sua evocação, a escultura demanda a ação do interagente para que a música se faça presente. Ao tocar as sete teclas da marimba com a baqueta de ponta vermelha, é emanada a melodia da canção homônima de Edson Conceição e Aloísio Silva, que se tornou conhecida na voz de Alcione em 1975.

O título do trabalho, assim como a canção que emula, falam diretamente ao interlocutor. Conclamam-nos à ação que coloque o samba no mundo, seja pela dança, pelo canto ou pela lembrança. Os acordes emitidos chamam a atenção para os versos seguintes que pairam em nossa memória, falando das suas origens e sua vocação para reinventar a vida em meio à precariedade.

A obra se desenvolve a partir da pesquisa de Felippe Moraes sobre o samba e o Carnaval. Lançando mão de um design com fins poéticos, o artista promove experiências sinestésicas, corporais e afetivas a partir da relação com o objeto. Sendo um instrumento musical construído para tocar apenas um trecho de uma música específica, ele nos chama para a importância e urgência do que é enunciado: Não deixe o samba morrer, não deixe o samba acabar.  

 

A edição vem acompanhada de certificado de autenticidade numerado e assinado pelo artista.

Felippe Moraes

1988, Rio de Janeiro, Brasil | Vive e trabalha entre São Paulo e Rio de Janeiro, Brasil.

 

Atualmente é doutorando pela Universidade de Coimbra em Portugal e mestre pela University of Northampton no Reino Unido. Sua pesquisa está voltada para a epistemologia da razão e suas relações com espiritualidade, mitologia e ancestralidade como possibilidades de reencantamento do mundo.

Seus principais projetos individuais são Samba da Luz (2021), projeto de intervenção pública da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo na Biblioteca Mário de Andrade e na Estação da Luz, Samba Exaltação (2021), série de quatro néons públicos no Edifício Mirante do Vale em São Paulo, Figa (2020) na Vila Itororó em São Paulo como parte do 28º Festival MixBrasil e Eledá (2020), mostra online realizada por meio do Itaú Cultural e Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. Em 2019 realizou Solfejo, com curadoria de Julia Lima no Centro Cultural FIESP em São Paulo e LUZIA no Museu da Ciência da Universidade de Coimbra em Portugal. Anteriormente apresentou as mostras individuais Imensurável (2018), com curadoria de Alexandre Sá na Caixa Cultural Fortaleza; Proporción [Proporção] (2018) no Espacio de Arte Contemporáneo (EAC) em Montevidéu; Cosmografia (2017) e Ordem (2014), ambas na Baró Galeria em São Paulo e Progressão (2016) com texto de Michelle Sommer no MAC-Niterói.


Nos primeiros anos de carreira realizou Matter [Matéria] (2012) na MK Gallery no Reino Unido e Construção (2011) na Temporada de Projetos do Paço das Artes em São Paulo. Foi premiado por instituições como Itaú Cultural, Instituto Tomie Ohtake e Funarte e sua obra está em importante coleções como do MAM-SP, MACRS, MAC-Niterói e CCSP. É autor das obras públicas Monumento ao Horizonte (2016) em Niterói e Monumento a Euclides (2017) na Romênia.

Destaques da carreira

Felippe Moraes

  • 2016 | Permanente - Caminho Niemeyer - Monumento ao Horizonte 2016 | Permanente - Caminho Niemeyer - Monumento ao Horizonte
  • 2018 | Caixa Cultural de Fortaleza - Imensurável (curadoria de Alexandre Sá) 2018 | Caixa Cultural de Fortaleza - Imensurável (curadoria de Alexandre Sá)
  • 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima) 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima)
  • 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima) 2019 | Centro Cultural FIESP - Solfejo (curadoria de Julia Lima)
  • 2021 | Biblioteca Mario de Andrade SP - Samba da Luz 2021 | Biblioteca Mario de Andrade SP - Samba da Luz
  • 2021 | Edifício Mirante do Vale - Samba Exaltação 2021 | Edifício Mirante do Vale - Samba Exaltação
  • 2021 | Estação da Luz - Samba de Luz 3 2021 | Estação da Luz - Samba de Luz 3
2021 | Estação da Luz - Samba de Luz 3
TOPO