Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio
  • Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio
  • Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio
  • Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio
  • Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio
  • Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio Nelosn Leirner, Cada cosa en su sitio

Nelson Leirner +

"Cada cosa en su sitio" (cód. 5548)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Escultura
  • Data 2013
  • Técnica técnica mista
  • Dimensões ( A x L) 60 x 50 cm
  • Edição 40
Na série “Cada cosa en su sitio”, Nelson Leirner se apropria de fotografias existentes e faz intervenções com peças de acrílico colorido e colantes, satirizando a cultura pop e capitalista americana.

Nelson Leirner

São Paulo (SP), 1932 | Vive e trabalha no Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Nelson Leirner é um artista multimídia, bastante conhecido por sua postura crítica e por suas intervenções em objetos pré-existentes. Estudou engenharia têxtil no Lowell Technological Institute, em Massachusetts (Estados Unidos), teve aulas de pintura com Juan Ponc e frequentou por dois anos o Ateliê Abstração, de Samson Flexor. Junto de Wesley Duke Lee, Geraldo de Barros, José Resende, Carlos Fajardo e Frederico Nasser instruiu e criou o grupo Rex, em 1966, coletivo que criticava o excesso da institucionalização da arte. Em 1961, teve sua primeira exposição individual, mas antes disso já expunha em salões de arte. Participou de importantes mostras como a Bienal de São Paulo em 1963, 1965, 1967, 2002, 2006, 2010, a Nova Objetividade Brasileira (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro), Playground (Museu de Arte de São Paulo – Masp), Revolta do Animal (considerada a melhor proposta pela Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA, em 1974), Uma linha dura, não dura (Galeria Luisa Strina), Modernidade: arte brasileira do século XX (Museu de Arte Moderna da Cidade de Paris), Nelson, antes de N. Leirner (Centro Universitário Maria Antônia), Dreamlands (Centro Georges Pompidou), entre outras. Em 1999, representou o Brasil na 48ª Bienal de Veneza e teve uma sala especial na 25ª Bienal de São Paulo.

Em 1975, Leirner se tornou também professor na Faculdade Armando Álvares Penteado – Faap, onde lecionou até 1996, quando se mudou para o Rio de Janeiro. Lá, deu aulas na Escola de Artes Visuais do Parque Lage - EAV/Parque Lage.

Desde o início de sua carreia, a exploração da crítica ao sistema da arte contemporânea foi uma constante em seus trabalhos, tanto individuais, quanto com o grupo Rex, levando-o a ser considerado um artista polêmico. Podemos ver esse aspecto em trabalhos como "O Porco" (1967), também conhecido como "O Happening da crítica", obra aceita no  IV Salão de arte Moderna de Brasília e que teve sua entrada nele questionada pelo artista, e "O preço da arte" (2012), em que Leirner apresenta a reprodução de uma nota de dólar e uma tesoura prestes a lhe cortar.

Outro ponto notável de sua produção é a ideia de apropriação, hoje considerada uma marca de sua figura artística. Como pode-se ver nas obras New York, New York (2009), em que o artista faz uma composição com miniaturas de carros em preto, amarelo, vermelho e azul baseada em obras de Mondrian, assim como em Eu e Manet (2011), na qual são coladas imagens de insetos em uma reprodução fotográfica da célebre pintura “Le déjeneur sur l’herbe”.

Como aponta Rafael Vogt Maia Rosa: “Nelson Leirner é um desses artistas cuja biografia se confunde com lendas pessoais. Como se sabe, isso acaba, em muitos casos, por constituir mais uma estratégia poética, um contexto inescapável que se sobrepõe à criação de trabalhos diversos, mas que se mostram coesos. Sua prolongada atuação como professor, seus happenings e depoimentos, tudo parece colaborar para um percurso extraordinário de realizações que permanecem na órbita de um questionamento não apenas formal do fazer artístico, mas, de uma polêmica em curso.”1

1. Fonte: http://www.mariantonia.prceu.usp.br/celeuma/?q=revista/1/entrevistas/entrevista-com-nelson-leirner#sthash.j3aoHvzx.dpuf

Galerias representantes

Bolsa de Arte, Porto Alegre

Silvia Cintra + Box 4, Rio de Janeiro

Destaques da carreira

Nelson Leirner

  • "O porco" | 1966 | Foto: Romulo Fialdini
TOPO