Wishlist
R$ 0,00
0 item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Cao Guimarães, Sem título Cao Guimarães, Sem título

Cao Guimarães +

"Sem título" (cód. 5054)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Fotografia
  • Data 2016
  • Técnica impressão em hahnemuhle photo rag 308
  • Dimensões (A x L ) 73 x 113 cm
  • Edição 20 + 3PA

DISPONÍVEL PARA ENVIO EM ATÉ 20 DIAS ÚTEIS

R$ 7.000,00
em até 10x de R$ 773,50*
ver parcelas
  • 1x de R$ 7.000,00
  • em até 2x de R$ 3.500,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 2.333,33
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 1.776,25*
  • em até 5x de R$ 1.442,00*
  • em até 6x de R$ 1.219,17*
  • em até 7x de R$ 1.060,00*
  • em até 8x de R$ 940,63*
  • em até 9x de R$ 847,78*
  • em até 10x de R$ 773,50*
Cao Guimarães pretende causar no espectador sentimentos de curiosidade e dúvida com a fotografia do precário colchão. Este toma forma e ganha importância quando emoldurado e colocado em evidência. Influências do minimalismo ficam claras nesta obra, já que o movimento pregava transmitir ao observador uma percepção nova do ambiente onde a obra se inseria por meio de uma redução formal do objeto e a sua produção em série. O enigma de quem passou pelo cenário da imagem, onde a foto foi tirada e quem dormiu no colchão retratado ganha versões a partir da bagagem e das referências do espectador que admira a foto. Apesar da precariedade do colchão e dos travesseiros, a foto foi impressa com extrema cautela e atenção nos detalhes e emoldurada com uma madeira fina e bem acabada. A contradição entre o material em si e o que é mostrado é fascinante, e enfatiza ainda mais a precariedade do ambiente retratado. A edição vem acompanhada de certificado de autenticidade numerado e assinado.

Cao Guimarães

Belo Horizonte (MG), 1965 | Vive e trabalha em São Paulo (SP), Brasil.

Formado primeiramente em filosofia e jornalismo em sua cidade natal, seguindo daí para fotografia em Londres – assunto no qual ganhou inúmeros prêmios – e posteriormente participou de um curso de cinema experimental ainda em Londres, Cao Guimarães é considerado um dos mais produtivos artistas contemporâneos brasileiros.

Com produção intensa desde o final dos anos 80, Cao produz magistralmente obras que interseccionam o cinema e a fotografia. O artista foi convidado a exibir seus filmes em importantes festivais internacionais de cinema, entre eles Cannes, Locarno, Sundance, Veneza, Roterdã e Berlim. Em 2011, o MoMA sediou uma retrospectiva de seus filmes e em 2014, o BAFICI, em Buenos Aires, e a Cinemateca do México também realizaram retrospectivas de seu trabalho.

Realizou nove longa-metragens: "O Homem das Multidões" (2013), "Otto" (2012), "Elvira Lorelay Alma de Dragón" (2012), "Ex Isto" (2010), "Andarilho" (2007), "Acidente" (2006), "Alma do Osso" (2004), "Rua de Mão-Dupla" (2002) e o "Fim do Sem Fim" (2001). Um dos curtas mais lindos e mais recentes do artista foi a obra "Filme em anexo" exposta na 34º Panorama da Arte Brasileira em 2015, no qual remonta as conversas entre ele e o curador Paulo Miyada sobre seu projeto para a exposição. O vídeo traz algumas hipóteses de quem foram os povos sambaquieros, responsáveis pela produção dos artefatos. 

“Acho que uma obra de arte prolonga-se na alma, perdura dentro da gente após o seu 'término'. O momento após um filme é ainda o filme dentro da gente. É o 'outro' (o filme) atuando no sujeito, momento sublime de transcendência. “ comenta o artista.

Para as fotografias expostas no "Arte-Cidade III" (1987), utiliza câmeras com poucos recursos técnicos, criando imagens de paredes descascadas e corroídas pelo tempo que interagem com os muros de concreto e o chão repleto de musgo. Em 1993, recebe o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, oferecido pela Fundação Nacional de Arte (Funarte), para desenvolvimento do ensaio fotográfico Ex-Votos, com Rivane Neuenschwander. Em algumas fotos dessa série, apresenta retratos de família que revelam as marcas da passagem do tempo, criando imagens instigantes.

Guimarães tem suas obras em numerosas coleções prestigiadas como a Tate Modern (Reino Unido), o MoMA e o Museu Guggenheim (EUA), Fondation Cartier (França), Colección Jumex (México), Inhotim (Brasil), Museu Thyssen-Bornemisza (Espanha), dentre outras. Participou de importantes exposições como XXV e XXVII Bienal Internacional de São Paulo, Brasil; Insite Biennial 2005, México; "Cruzamentos: Contemporary Art in Brazil", EUA; "Tropicália: The 60s in Brazil", Áustria; Sharjah Biennial 11 Film Programme, Emirados Árabes Unidos e "Ver é Uma Fábula, Brasil", uma retrospectiva com grande parte das obras do artista expostas no Itaú Cultural, em São Paulo.

Galerias representantes

Galeria Nara Roesler, São Paulo

Xippas, Paris | Montevideo

Destaques da carreira

Cao Guimarães

  • "Rua de Mão Dupla", Vídeo DV | 2002 | 25ª Bienal de São Paulo
  • "Filme em anexo" | 2015 | 34º Panorama da Arte Brasileira
  • "Mosaico Gambiarras", 2008 | 2014 | Cruzamentos - Contemporary Art in Brazil
  • "SinPeso, Ver é uma fábula" | 2013 | Retrospectiva Itaú Cultural
TOPO