Wishlist
R$ 0,00
0 item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair
  • Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair
  • Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair
  • Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair Nazareno, Até Que Nos Deixem Sair

Nazareno +

"Até Que Nos Deixem Sair" (cód. 2429)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Escultura
  • Data 2014
  • Técnica porcelana, seda, vidro, madeira, tecido
  • Dimensões (A x L x P) 7 x 49 x 35 cm
  • Edição 15

DISPONIBILIDADE IMEDIATA

R$ 15.000,00
em até 10x de R$ 1.657,50*
ver parcelas
  • 1x de R$ 15.000,00
  • em até 2x de R$ 7.500,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 5.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 3.806,25*
  • em até 5x de R$ 3.090,00*
  • em até 6x de R$ 2.612,50*
  • em até 7x de R$ 2.271,43*
  • em até 8x de R$ 2.015,63*
  • em até 9x de R$ 1.816,67*
  • em até 10x de R$ 1.657,50*

Em "Até que nos deixem sair", Nazareno engarrafa um pequeno barco e o fixa em um mar de fios de seda. O limite do mar se dá por uma bandeja de porcelana branca que contrasta com o azul do emaranhado das linhas. “Aqui discuto o cerceamento imposto pelas noções de infinito e limites que remetem às tradicionais fronteiras naturais que eram as águas do oceano. Neste trabalho, coloco ainda a possibilidade de interação do espectador com o mesmo, pois o mar de seda que proponho se alinha de acordo com o desejo do público”, comenta Nazareno.

Esta edição exclusiva da Carbono Galeria vem acompanhada de certificado de autenticidade numerado e assinado pelo artista.

Mais obras deste artista

Nazareno

São Paulo (SP), 1967 | Vive e trabalha em São Paulo (SP), Brasil.

Nazareno é bacharel em artes visuais pela Universidade de Brasília. Além de seu trabalho como artista, atuou como professor, curador, coordenador de espaços culturais e consultor em edições de artes plásticas. Trabalha com diferentes mídias, como desenho, gravura, escultura, instalação e vídeo. Já realizou diversas exposições, das quais se destacam as realizadas no MAM - Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e de São Paulo, o Museu de Arte de Brasília, o  Instituto Itaú Cultural, a Funarte, o Instituto Tomie Ohtake, entre outros. Participou de salões nacionais, projetos de mapeamento como o "Rumos Visuais Itaú" e residências artísticas. Nos anos de 2011, 2008 e 2006 foi indicado ao prêmio Marco Antônio Vilaça-SESI, em 2010 foi um dos artistas convidados do 29º Arte Pará. Em 2013, lançou o livro “Num Lugar Não Longe de Você” e em 2004, publicou o livro “São as Coisas Que Você Não Vê Que Nos Separam”. Suas obras fazem parte de importantes coleções públicas e privadas.

O processo de produção do artista parte de uma pesquisa do cotidiano. Fatos corriqueiros e aparentemente banais podem se mostrar potentes a Nazareno e serem transformados em situações lúdicas, principalmente se relacionados à verbalidade e se forem ativadores de memórias.

Suas obras articulam muitas vezes imagens e textos. O uso da palavra é constante e muito importante para Nazareno, a oralidade sempre foi presente em seu crescimento, criando, assim, não somente um vasto repertório, mas uma necessidade de se expressar também com as palavras. O artista afirma não criar poemas ou textos, ele os chama de “acidentes literários”. Mesmo quando a palavra não está inscrita no objeto artístico, ela se faz presente no título. Nazareno sempre titula seus trabalhos e os vê como uma forma de criar outras visões, conduzindo o espectador a diferentes caminhos interpretativos. 

Outro aspecto que deve ser destacado em sua produção é a escala escolhida pra  suas esculturas e objetos. O artista cria pequenas obras, como miniaturas de objetos. Estes tratam de coisas inseridas no dia a dia comum a todos, como a cama, a cadeira, o barco, a garrafa, o prato, o piano, entre outros, sendo, dessa forma, facilmente reconhecidos. Com essa miniaturização, o artista propõe que o adulto, seu público principal,  seja rebaixado à condição infantil, que ele seja surpreendido e veja aqueles objetos de um ponto de vista diferente.

No entanto, sua poética não fala somente de alegrias. São obras que envolvem e geram muitos sentimentos, tratam na maioria das vezes de relações humanas e assim podem ser também relacionados a decepções.

Em seu trabalho, nada está ali por acaso. O desenho, a forma, a cor, o texto, o título, tudo é preciso e em tudo estão contidas faíscas de leitura e reflexão para o espectador.

 

Galerias representantes

Galeria Lume, São Paulo

Destaques da carreira

Nazareno

  • "Ali Onde Não Se Está" | 2012 | obra que faz parte do acervo do Museu de Arte Contemporânea da USP, SP
  • Detalhe da obra Detalhe da obra "Eu sempre Soube" | 2010
  • "Não Chore as Pessoas Estão Olhando" | 2012
TOPO