Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Fagus, Poema para Abrir Espaço II Fagus, Poema para Abrir Espaço II
  • Fagus, Poema para Abrir Espaço II Fagus, Poema para Abrir Espaço II
  • Fagus, Poema para Abrir Espaço II Fagus, Poema para Abrir Espaço II
  • Fagus, Poema para Abrir Espaço II Fagus, Poema para Abrir Espaço II
  • Fagus, Poema para Abrir Espaço II Fagus, Poema para Abrir Espaço II

Fagus +

"Poema para Abrir Espaço II" (cód. 5871)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Escultura
  • Data 2017
  • Técnica 5 copos de 45ml, folha de ouro e cachaça
  • Dimensões (A x L x P) 6 x 5 x 5 cm (cada)
  • Edição 20 + 3 PA

DISPONÍVEL PARA ENVIO EM ATÉ 15 DIAS ÚTEIS

R$ 800,00
em até 10x de R$ 88,40*
ver parcelas
  • 1x de R$ 800,00
  • em até 2x de R$ 400,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 266,67
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 203,00*
  • em até 5x de R$ 164,80*
  • em até 6x de R$ 139,33*
  • em até 7x de R$ 121,14*
  • em até 8x de R$ 107,50*
  • em até 9x de R$ 96,89*
  • em até 10x de R$ 88,40*
Em "Poema para Abrir Espaço II", cinco pequenos copos são posicionados cada um numa das quinas do espaço. Dentro de cada copo, uma folha de ouro e cachaça. Para Fagus, seus trabalhos são aberturas de campos no espaço a partir da potência luminosa da matéria, evocando sua força mágica. Pedra, terra e luz, deslocadas, reposicionadas, com o intuito de ressignificar os territórios ritualísticos, uma iconografia encantada atravessa frestas invadindo novos terrenos/terreiros. A obra vem acompanhada de certificado de autenticidade numerado e assinado pelo artista.

Fagus

São Paulo (SP), 1984 | Vive e trabalha em São Paulo (SP), Brasil.

Fagus é um dos nomes com o qual Daniel Kairoz assina suas obras, que vão de obras arquitetônicas coreográficas, projetos urbanos, criações de ritos coreográficos, edição de livros e gestão da Phármakon editora, direção e montagem de filmes, esculturas de dança, peças de dança, paisagens sonoras, poemas, fotografias, etc.

Iniciou seus estudos pelo desenho e pela música. Bacharel em Comunicação das Artes do Corpo, desde 2011 começou a utilizar diferentes nomes para nomear seus diferentes gestos poéticos, as diversas materializações e manifestações em suas obras. Fagus dá nome às materializações mais próximas do campo da poesia e da poética das coisas. Uma busca pelo sol de cada coisa. Desde 2011 dedica-se ao estudo da cor dourada, sua força luminosa e a força espiritual que ela evoca através da matéria. Desde então passou a chamar seus trabalhos de poemas, apesar de trabalhar com diversos materiais e mídias, isso por utilizar estruturas poéticas de versificação e composição para a criação de suas obras, mas também pela experiência grega da palavra que diz trazer algo à existência. Seus trabalhos são aberturas de campos no espaço a partir da potência luminosa da matéria, evocando sua força mágica, atuando diretamente na composição do espaço. Pedra, terra, luz, copos, sacolas plásticas, embalagens, deslocadas, colocadas em relação, com o intuito de ressignificar os territórios ritualísticos, uma iconografia encantada atravessa frestas invadindo novos terrenos e terreiros.

Sua primeira individual foi 2016: "os próximos acontecimentos esclarecerão tudo isso:, curadoria Maria Montero (Sé Galeria); tem dois livros-poemas lançados pela editora Phármakon ambos em 2013; das exposições que participou, destacam-se: "Artistas Comem Art Palacio" (2014, Cine Art Palacio); "Soma Não-Zero" (2013, curadoria Maria Montero, Phosphorus + Galeria Jaqueline Martins); "Em Aberto" (2012, curadoria Maria Montero, Phosphorus); "Acaso" (2012, curadoria Mariana De Benedetto, Viga Espaço Cênico).

Galerias representantes

Sé Galeria, São Paulo

Destaques da carreira

Fagus

  • "os próximos acontecimentos esclarecerão tudo isso" | 2016 | Sé Galeria, São Paulo, SP | foto: Pedro Victor Brandão
  • "SOMA NÃO-ZERO" | 2014 | Phosphorus, São Paulo, SP
  • "Em Aberto" | 2014 | Phosphorus, São Paulo, SP | foto: Gustavo Ferro
TOPO