Wishlist
R$ 0,00
0 item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Alexandre da Cunha, Mentiras Alexandre da Cunha, Mentiras
  • Alexandre da Cunha, Mentiras Alexandre da Cunha, Mentiras
  • Alexandre da Cunha, Mentiras Alexandre da Cunha, Mentiras
  • Alexandre da Cunha, Mentiras Alexandre da Cunha, Mentiras
  • Alexandre da Cunha, Mentiras Alexandre da Cunha, Mentiras

Alexandre da Cunha +

"Mentiras" (cód. 6539)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Escultura
  • Data 2017
  • Técnica assadeira, descanso de panela
  • Dimensões (A x L x P) 74 x 40 x 5 cm
  • Edição 25 + 5PA

DISPONIBILIDADE IMEDIATA

R$ 10.000,00
em até 10x de R$ 1.105,00*
ver parcelas
  • 1x de R$ 10.000,00
  • em até 2x de R$ 5.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 3.333,33
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 2.537,50*
  • em até 5x de R$ 2.060,00*
  • em até 6x de R$ 1.741,67*
  • em até 7x de R$ 1.514,29*
  • em até 8x de R$ 1.343,75*
  • em até 9x de R$ 1.211,11*
  • em até 10x de R$ 1.105,00*

Com 100% da renda destinada ao Pivô, a escultura, ou relevo de parede, "Mentiras" consiste em uma “assadeira” de alumínio encontrada pelo artista em uma loja de material de cozinha industrial. O objeto recebe um recorte circular no mesmo diâmetro do segundo elemento que compõe a obra, um “descanso de panela”, também em alumínio, que se instala apoiado sobre a assadeira, na parede. Cada exemplar apresenta o vazado em diferentes posições, conferindo um caráter único ao múltiplo.

A obra é numerada e assinada e vem acompanhada de certificado de autenticidade.

Alexandre da Cunha

Rio de Janeiro (RJ), 1969 | Vive e trabalha em Londres, Reino Unido. 

Contrapondo e mesclando materiais, e através do estabelecimento de diálogos entre eles, repertórios e objetos de diferentes origens e destinados a diferentes usos, o artista opera de forma crítica dentro de uma escala de valores que une cultura brasileira pop e modernismo, artes decorativas e cultura pop britânico. A busca de Da Cunha para a elegância modernista envolve o uso de materiais comuns que fazem alusão à proximidade da arte e da vida cotidiana. Não é raro que, numa exposição sua, encontremos referências a fontes tão diversas quanto a abstração geométrica, as artes aplicadas, o design, a arquitetura moderna brasileira, Constantin Brancusi e a arte povera italiana.

Dentre suas mais recentes exposições, há destaque para as individuais: "Duologue", The Royal Society of Sculptors, Londres (2018); "Abstracción Textil", Galería Casas Riegner, Bogotá (2018); "Boom", Pivô, São Paulo (2017); "Mornings", Office Baroque, Bruxelas (2017); "Free Fall", Thomas Dane Gallery, Londres (2016); "Amazons", CRG Gallert, Nova York (2015); "Real", Galeria Luisa Strina, São Paulo (2015); "Contratempo", Sommer & Kohl, Berlim (2013); "Le Grand Café", Centre d’art Contemporain, Saint Nazaire (2012). Da Cunha recentemente instalou dos trabalhos de arte pública: o primeiro comissionado pelo MCA Chicago, parte do Plaza Project, e o segundo pelo Rochaverá Corporate Towers em São Paulo.

E suas mais recentes exposições em grupo incluem: "Contemporary Sculpture Fulmer", Buckinghamshire village of Fulmer, Inglaterra (2019); "Le Bel Ete", Noire, Turim (2018); "Between the Lines", Peles Empire, Berlim (2018); "Ready Made in Brazil", Centro Cultural FIESP, São Paulo (2017); "Histórias da Sexualidade", MASP, São Paulo (2017);"Soft Power", The Institute of Contemporary Art, Boston (2016); "Brazil, Beleza?! Contemporary Brazilian Sculpture", Museum Beelden aan Zee, Haia (2016); "Cámara de Maravillas", MAMM Museo de Arte Moderno, Medellin (2016) e Centro de la Imágen, Cidade do México (2015); "British Art Show 8", Leeds Art Gallery, Leeds (2015); "Cruzamentos Contemporary Art in Brazil", Wexner Center for the Arts, Columbus (2014); "When Attitudes Became Form Become Attitudes", Museum of Contemporary Art Detroit (2013); "Decorum: Tapis et tapisseres d’artistes", Musée d’art Moderne de la Ville de Paris (2013); 30ª Bienal de São Paulo (2012).

Suas obras fazem parte de importantes coleções pelo mundo, tais como: Tate Modern, Inglaterra; Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, Brasil; Centro de Arte Contemporânea Inhotim, Brumadinho, Brasil; CIFO Coleção Cisneros, Miami, EUA; Coleção Zabludowicz , Inglaterra; Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil.

 

Galerias representantes

Galeria Luisa Strina, São Paulo

TOPO