Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

caio-reisewitz
Caio Reisewitz
Comprando Por

Produto adicionado no carrinho x

Caio Reisewitz

Caio Reisewitz

Caio Reisewitz

  • "Aterro" | 2016 | Luciana Brito Galeria, São Paulo, SP
  • "Cassino" | 2019 | Luciana Brito Galeria, São Paulo, SP | foto: José Pellegrini

Caio Reisewitz

1 Iten(s)

   

  • "Tapeaba"

    Fotografia
    ( A x L) 54 x 45 cm
    R$ 7.800,00

    Caio Reisewitz

Caio Reisewitz

1 Iten(s)

   

São Paulo (SP), 1967 | Trabalha em São Paulo (SP), Brasil.  

O artista Caio Reisewitz, a partir da fotografia, procura estabelecer relações entre a construção do real e o registro do artificial. Ganhador de diversos prêmios – como os de aquisição das 4ª e 6ª edições dos salões do Museu de Arte Moderna da Bahia e o Prêmio Sergio Motta de 2001 –, seu trabalho esteve presente na 51ª Bienal de Veneza, 26ª Bienal de São Paulo, 1ª Bienal del Fin del Mundo (Ushuaia, Argentina), Nanjin Biennale (China). Suas obras integram as coleções do Museu de Arte Moderna de São Paulo e da Cisneros Foundation (EUA).

Especializou-se em fotografia na Escola Superior de Artes de Darmstadt e na Johannes Gutenberg-Universität Mainz, ambas na Alemanha. É mestre em poéticas visuais pela Universidade de São Paulo. Retorna ao Brasil em 1997, para consolidar-se como um dos fotógrafos mais importantes de sua geração, no campo das artes visuais. Manipulando as imagens de maneira sutil, o artista realiza encontros entre conceito e forma por meio de fotomontagens que, em alguns casos, como em "Joaçaba" ou "Parentinga", foram feitas a partir de colagens refotografadas. Sua proposta é também a de misturar realidade e subjetividade, ou seja, o que se vê à percepção que temos do que estamos vendo. Por isso, retira de situações tensas imagens que não são apelativas, caso da série "Reforma Agrária", feita no interior de Goiás, e "Iguaçu", fotografada depois de um período de chuvas fortes e enchentes.

As fotos de Caio exploram principalmente temas como a paisagem, a ocupação do solo e o uso arquitetônico. Diferenciam-se por partir de um ponto de vista peculiar: além de não tornar explícitos os dramas sociais, Reisewitz propõe novas abordagens e recortes para paisagens familiares. Com técnicas elaboradas, o artista dá luz a obras refinadas, nas quais podemos observar muitas das questões pertinentes à fotografia contemporânea. 

TOPO