Wishlist
R$ 0,00
(0) item(s)

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Produto adicionado no carrinho x
  • Marcos Chaves - A luz dormiu acesa Marcos Chaves - A luz dormiu acesa
  • Marcos Chaves - A luz dormiu acesa Marcos Chaves - A luz dormiu acesa
  • Marcos Chaves - A luz dormiu acesa Marcos Chaves - A luz dormiu acesa

Marcos Chaves +

"A luz dormiu acesa " (cód. 12635)

Seja o primeiro a avaliar este produto

  • Instalação
  • Data 2023
  • Técnica neon
  • Dimensões (A x L) 6,5 x 105 cm
  • Edição 20 + 3PA

DISPONÍVEL PARA ENVIO EM ATÉ 20 DIAS ÚTEIS

R$ 18.000,00
em até 10x de R$ 1.989,00*
ver parcelas
  • 1x de R$ 18.000,00
  • em até 2x de R$ 9.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 3x de R$ 6.000,00
    sem juros no cartão de crédito
  • em até 4x de R$ 4.567,50*
  • em até 5x de R$ 3.708,00*
  • em até 6x de R$ 3.135,00*
  • em até 7x de R$ 2.725,71*
  • em até 8x de R$ 2.418,75*
  • em até 9x de R$ 2.180,00*
  • em até 10x de R$ 1.989,00*

O trabalho de Marcos Chaves se desenvolve em múltiplas mídias, suportes e materiais. As obras sempre partem de uma ideia ou conceito e se concretizam no suporte que mais lhe convém. Geralmente partem da ideia do ready-made, que pode ser um objeto, uma assemblage, ou mesmo uma expressão idiomática já existente.

"A luz dormiu acesa" se insere na família de trabalhos textuais, e como em um dos primeiros trabalhos dessa linhagem, o "Eu Só Vendo a Vista", é também uma expressão do português falado no Brasil, só percebido por quem mora aqui – às vezes meio nonsense, meio surreal, mas muito bem compreendido. 

A obra utiliza o neon para se concretizar, se tornando um objeto tautológico, poeticamente redundante, a luz nunca se apagou. O neon copia a caligrafia do artista, como se fosse um bilhete deixado para alertar que a luz não foi apagada durante a noite. Um neon que não se apaga, um constante estado de vigília, uma sentinela.

A edição vem acompanhada de certificado de autenticidade numerado e assinado pelo artista.

Mais obras deste artista

Marcos Chaves

Rio de Janeiro (RJ), 1961 | Vive e trabalha no Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Marcos Chaves inicia sua produção na década de 1980, quando a pintura e a fotografia ocupavam lugares centrais da sua prática artística. Ao encontrar uma das marcas de suas obras na utilização de diversas mídias, que transita livremente entre a produção de objetos, vídeos, instalações, obras em espaços públicos e esculturas, o trabalho de Marcos realiza-se em consonância com seu pensamento profundamente crítico e que, não obstante a coerência, permanece aberto a interpretações, especialmente em função da marcada presença de humor e ironia.

Em suas obras, pautadas principalmente pela fotografia, é frequente a apropriação de pequenos elementos, da linguagem ou cenas da vida cotidiana, que evidenciam, de maneira direta, ou a partir de pequenas intervenções, o caráter extraordinário que pode habitar no prosaico. É o caso da série “Buracos”, fotografias de grandes buracos encontrados em ruas sem manutenção, ou da série “Retratos”, composta de fotos de vassouras que, encostadas na parede, ganham expressões humanas.

Outro tema frequente na obra do artista é a cidade do Rio de Janeiro. Sua produção se insere, de maneira renovada, na longa tradição de artistas que tensionam a relação entre imagem e linguagem ao propor, por exemplo, títulos sutilmente ambíguos e divertidos, que conduzem a uma reflexão bem-humorada sobre a sociedade e a cultura.

Algumas de suas mostras individuais recentes incluem: Marcos Chaves: “as imagens que nos contam”, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) (2021); Marcos Chaves no MAR, no Museu de Arte do Rio (2019), no Rio de Janeiro; “Eu só vendo a vista”, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC-Niterói) (2017), no Rio de Janeiro; “Marcos Chaves”, na Carpe Diem Arte e Pesquisa (2016), em Lisboa, Portugal, e “Marcos Chaves – ARBOLABOR”, no Centro de Arte de Caja de Burgos (CAB), em Burgos, na Espanha.

Apresentou trabalhos na 17ª Bienal de Cerveira, Portugal (2013), 54ª Venice Biennale, Itália (2011); Manifesta 7, Itália (2008), e também nas coletivas: “Utopias e distopias”, no Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM-BA) (2022), em Salvador, Brasil; “Inside the Collection – Approaching Thirty Years of the Centro Pecci “(2018), Prato, Itália; “Troposphere – Chinese and Brazilian Contemporary Art”, Beijing Minsheng Art Museum (2017), Pequim, China; “Brasil, Beleza?! Contemporary Brazilian Sculpture”, Museum Beelden aan Zee (2016), Haia, Países Baixos. Suas obras integram as seguintescoleções, dentre outras: Centro de Arte de Caja de Burgos (CAB), Burgos, Espanha; Instituto Itaú Cultural, São Paulo; Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-Rio), Rio de Janeiro; The Ella Fontanals-Cisneros Collection, Miami, EUA.

Galerias representantes

Galeria Nara Roesler, São Paulo

Destaques da carreira

Marcos Chaves

  • Duas vistas da instalação Duas vistas da instalação "Logradouro": exposição individual no Itaú Cultural, São Paulo em 2001 e no Museu Vale do Rio Doce, Vila Velha em 2002
  • "Eu só vendo a vista", trabalho múltiplo e intervenção urbana | 1997 | Rio de Janeiro, RJ
  • “The Laughing Room” | 2007 | Exposição “All About Laughter - The Role of the Humor in Contemporary Art” | Mori Art Museum, Tóquio, Japão “The Laughing Room” | 2007 | Exposição “All About Laughter - The Role of the Humor in Contemporary Art” | Mori Art Museum, Tóquio, Japão
  • “Morrendo de Rir” | 2002 | XXV Bienal de São Paulo, SP “Morrendo de Rir” | 2002 | XXV Bienal de São Paulo, SP
“Morrendo de Rir” | 2002 | XXV Bienal de São Paulo, SP
TOPO